quarta-feira, 26 de abril de 2017

Nota aos paroquianos

A Paróquia de Sant’Ana, por meio da Pastoral do Batismo, comunica a todos os paroquianos que o Sacramento do Batismo será realizado apenas no primeiro e no terceiro domingo de cada mês, a partir de agosto do ano em curso, objetivando uma melhor preparação/formação e acompanhamento das famílias que buscam o referido Sacramento.

Desde já, agradecemos a compreensão dos fiéis!


O Santo Batismo é o fundamento de toda a vida cristã, a porta da vida no Espírito, que abre o acesso aos demais sacramentos. Por meio dele, somos libertados do pecado e regenerados como filhos de Deus, tornamo-nos membros de Cristo, incorporados à Igreja e feitos participantes de sua missão.

Pastoral do Batismo
Paróquia de Sant’Ana Bom Jardim – Pernambuco

terça-feira, 25 de abril de 2017

Subsídio prepara fiéis para Semana de Oração pela Unidade Cristã

Com o tema “Reconciliação: é o amor de Cristo que nos move – Celebração do 500° Aniversário da Reforma” tem início no dia 28 de maio a Semana de Oração pela Unidade Cristã (Souc). A ideia deste ano é conclamar todos os cristãos, de todas as denominações, à unidade.


Para isso, já estão disponíveis os subsídios da Semana. Preparado pela Comissão Ecumênica Alemã, país considerado um dos berços da Reforma, os cadernos da Souc já podem ser encomendados. No Brasil, quem adaptou o material foi o regional do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil (Conic) no Rio Grande do Sul.

Quem quiser adquirir o material (que é pago), basta encaminhar um e-mail para conic@conic.org.br com o número de cadernos que deseja. É importante que no e-mail estejam informações como CNPJ ou CPF de quem encomenda e endereço para emissão de boleto bancário. O boleto será emitido para pedidos acima de 10 cadernos. Quem desejar menos de 10 cadernos terá que realizar depósito bancário. A cada dez cadernos encomendados, será enviado um cartaz da Semana. Individualmente, o Cartaz não será vendido. Para baixá-lo em alta resolução, clique aqui.

A oferta da Souc simboliza o comprometimento das pessoas com o ecumenismo. É uma forma concreta de mostrar que se acredita na unidade dos cristãos. Os frutos das ofertas doadas ao longo da Semana são distribuídos, anualmente, da seguinte maneira: 40% para a representação regional do CONIC (onde houver), que é destinado a subsidiar reuniões e atividades ecumênicas locais, e 60% para o CONIC Nacional, para projetos de maior alcance.

Vale lembrar que a oferta faz parte da celebração, logo, é recomendado que se faça no momento da liturgia. Ofertas também poderão ser recolhidas nos encontros temáticos, durante a Semana.

domingo, 23 de abril de 2017

Evangelho do 2º Domingo da Páscoa

Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas, por medo dos judeus, as portas do lugar onde os discípulos se encontravam, Jesus entrou e, pondo-se no meio deles, disse: “A paz esteja convosco”. Depois dessas palavras, mostrou-lhes as mãos e o lado. Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor. Novamente, Jesus disse: “A paz esteja convosco. Como o Pai me enviou, também eu vos envio”. E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles e disse: “Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados; a quem os não perdoardes, eles lhes serão retidos”. Tomé, chamado Dídimo, que era um dos doze, não estava com eles quando Jesus veio. Os outros discípulos contaram-lhe depois: “Vimos o Senhor!” Mas Tomé disse-lhes: “Se eu não vir a marca dos pregos em suas mãos, se eu não puser o dedo nas marcas dos pregos e não puser a mão no seu lado, não acreditarei”. Oito dias depois, encontravam-se os discípulos novamente reunidos em casa, e Tomé estava com eles. Estando fechadas as portas, Jesus entrou, pôs-se no meio deles e disse: “A paz esteja convosco”. Depois disse a Tomé: “Põe o teu dedo aqui e olha as minhas mãos. Estende a tua mão e coloca-a no meu lado. E não sejas incrédulo, mas fiel”. Tomé respondeu: “Meu Senhor e meu Deus!”. Jesus lhe disse: “Acreditaste, porque me viste? Bem-aventurados os que creram sem terem visto!”. Jesus realizou muitos outros sinais diante dos discípulos, que não estão escritos neste livro. Mas estes foram escritos para que acrediteis que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e, para que, crendo, tenhais a vida em seu nome. (Jo 20,19-31)


Só o Espírito Santo permite-nos encontrar o perdão

Neste segundo domingo da Páscoa, celebramos a Misericórdia. E por que um domingo como este é o da misericórdia? Não é só porque a Igreja proclamou nem porque Jesus pediu que este domingo fosse celebrado como o “domingo da misericórdia”. O que se manifesta, hoje, através da liturgia que celebramos é a Misericórdia de Deus encarnada e viva no meio de nós! Porque o Cristo ressuscitado sopra sobre toda a humanidade e em nossos corações o dom do Espírito Santo. Só o Espírito Santo de Deus, derramado em nossos corações, permite-nos encontrar o perdão e a misericórdia divina! Por isso, o Espírito derramado sobre os apóstolos confere a eles o poder de perdoar os pecados. Que maravilha! Que presença e dádiva do Céu! Nossos pecados podem ser perdoados por homens, que são ministros de Deus, profetas e agentes da misericórdia divina. Digo a todos nós que necessitamos tanto do dom do Espírito Santo: não desprezemos o santo sacramento da confissão. Demos, na verdade, grande crédito e valor a ele. Porque quando precisamos o Espírito Santo vem a nós pelo batismo, na crisma; vem ao nosso encontro para nos lavar dos nossos pecados. Por este motivo, Jesus está dando aos apóstolos e discípulos poder para que somente a Igreja perdoe os pecados. Celebrar, hoje, a misericórdia de Deus é celebrar o perdão dos nossos pecados, é celebrar a nossa reconciliação com Ele! Rejubilo-me de mais no sacramento da confissão, pois no início da Igreja o sacramento era dado uma vez na vida, e depois foi se estendendo. E o tamanho da misericórdia de Deus não se limitava a um tempo ou a uma circunstância apenas. Algumas pessoas buscam todos os meses, ou, alguns buscam toda semana o sacramento da confissão, que está aqui por meio dos sacerdotes. Mas, o mais importante é deixar que a reconciliação com Deus aconteça em nosso coração. É mais do que uma oportunidade, é um presente do Céu e um dom de Deus! Quando o padre ou o ministro ordenado dizem: “Teus pecados estão perdoados”, é o próprio Jesus quem está nos dizendo que os nossos pecados estão perdoados. A excelência da misericórdia de Deus perdoa até mesmo a nossa incredulidade. Olhe a incredulidade de Tomé que dizia: “Se eu não tocar nem ver, não acreditarei”. E a bondade de Deus perdoa até mesmo aquele que era discípulo e duvidou. O perdão de Deus não conhece medidas nem limites. O perdão de Deus chega a todos os corações que se abrem para a Sua misericórdia!