sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Sim, Deus pode me chamar

“Jesus viu dois irmãos: Simão, chamado Pedro e seu irmão André. Estavam jogando as redes ao mar, pois eram pescadores… Prosseguindo adiante viu outros dois irmãos: Tiago, filho de Zebedeu e seu irmãos João. Estavam no barco com seu pai Zebedeu, consertando as redes.”.


Quatro pescadores: o que tem de especial nesses homens para serem os escolhidos por Jesus como primeiros discípulos? Assim como não há nada em nós que nos faça merecer a escolha de Deus.

A realidade é que eles corresponderam imediatamente ao chamado que receberam, deixando tudo para seguir Jesus Cristo. Deus pode te chamar também, sim, ele pode, e surpreenderá você com a novidade que só ele pode oferecer.

Ao acolher esse chamado, os discípulos inauguraram a companhia de pesca de Jesus, criada para pescar homens. Curioso é que Jesus escolheu membros de uma mesma família tanto com Pedro e André quando com Tiago e João. Isso significa que na sua família Deus também pode fazer esse chamado, porque não?

Mas será que todos estão prontos para ouvir a voz de Deus chamando seu nome a uma vocação específica? Os que ouvem, estão prontos para seguir? Se me perguntassem o que há de diferente na vocação dos primeiros discípulos para nós, a resposta está na pergunta: eles foram os primeiros!

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Como incentivar as crianças a gostarem da Palavra de Deus?

As crianças são de grande importância para o Reino de Deus. É prazer de Deus, por intermédio do Seu Filho Jesus Cristo, alcançar o coração delas. Conduzi-las a ter um encontro pessoal com Jesus é um grande desafio, mas também a mais doce esperança de um mundo melhor. Não foi por acaso que Jesus ordenou que deixassem as crianças irem a Ele. O Senhor estava diante de cristãos em potencial. Ao proferir essas palavras, diz a Escritura que Ele estendeu as mãos sobre as crianças e as abençoou.


O ensino bíblico para crianças deve ser valorizado por todos que fazem parte da vida delas. Este, sim, é um valioso investimento! Não vai existir fase mais adequada – para que sejam construídos e reconstruídos os pilares para uma vida saudável e comprometida com o mundo – do que a infância.

A figura da criança é apresentada, na Bíblia, desde muito cedo. Moisés e João Batista são exemplos de apóstolos que eram comprometidos com o mundo espiritual desde que eram crianças. Moisés recebeu um chamado, João Batista foi batizado no Espírito enquanto sua mãe, Isabel, recebia a visita de Maria.

A Palavra de Deus nos ensina por onde e como conduzir os filhos a este encontro com Deus, preservando a criança dos valores passageiros, impostos por ensinamentos que vêm de outras palavras. Como a palavra proferida pelas novelas, pelos excessos de desenhos animados, pelos colegas da escola e, também, pelo livre acesso a certos conteúdos da internet. É preciso deixar claro que a Palavra à qual me refiro está na Sagrada Escritura. Portanto, os filhos deverão ter a oportunidade de conhecê-la com a decisão da família de ser ou não ser uma família cristã. E a partir disso promover ações possíveis em que seus filhos consigam se aproximar da leitura bíblica.

Será primeiramente pelo testemunho dos pais que os filhos vão se deixar seduzir pela Palavra do Senhor. É comum ver pais ensinarem aos filhos quem é o Papai do Céu e a pedirem a Sua bênção, contudo, o tempo passa e este ensinamento não evolui. É uma fé tipicamente folclórica. A criança não frequenta a igreja, nunca viu os pais lendo a Palavra, não experimenta fazer caridade desde a mais tenra idade, não cresce habituada a reconhecer os seus pecados (mesmo tão mínimos) e cresce longe do costume de orar pelas pessoas que estão ao seu redor, em sua cidade e no mundo.

Incentivar um filho a gostar de ler e viver a Palavra de Deus é, antes de tudo, habituá-lo ao ambiente que tenha sinais de Deus. A criança é muito inteligente para perceber quando a família fala e não vive. Principalmente, aquelas que dizem crer em Deus, mas não testemunham esta crença com atos concretos de fé.

Seria muito bom que, antes de dormir, as crianças ouvissem histórias bíblicas ou assistissem a DVDs sobre os milagres e o amor de Jesus. É importante escolher um lugar da casa em que seja possível colocar algo que sinalize que, naquele ambiente, os seus proprietários são cristãos. As visitas, os vizinhos e os familiares precisam saber e respeitar essa decisão. É fundamental também educar os filhos dentro dos ensinamentos do Evangelho, mostrando-lhes sempre, com as leituras, como Deus gostaria que eles crescessem em graça e sabedoria.

Mesmo tendo a religião e a espiritualidade como base familiar, é necessário cautela, prudência, informação e inteligência para que nada saia diferente do que se espera. Várias são as passagens bíblicas que confirmam este querer de Deus com relação aos nossos filhos. Deuteronômio 6:4-9; Marcos 10:13-16; Josué 4:1-9  são passagens bíblicas que causam nas crianças a curiosidade sobre o mundo espiritual.

Como incentivar as crianças a gostarem da Palavra de Deus?

Sendo pais que se lembrem do jeito de ser de Jesus! Caso contrário, os filhos terão aversão não só à Palavra como também a tudo que lembre o Divino. Em seguida, colocando em prática o que aqui foi proposto.

Os catequistas também precisam fazer uso de metodologias mais inovadoras e tecnológicas para esses ensinamentos ministrados nas paróquias. O sacerdote, por sua vez, ao perceber a presença de crianças nas Celebrações Eucarísticas, deverá referir-se a elas de forma especial, distante de uma linguagem complexa. Dentro desse contexto é muito bom ressaltar que nossa espiritualidade nos aproxima de Deus, com isso, contagiamos as pessoas que estão ao nosso redor sendo amáveis, dóceis e responsáveis com nossa família e com o mundo no qual estamos inseridos, usando uma linguagem decente e respeitosa. E demonstrando que queremos ser filhos de Deus amáveis e amados. Este será sempre um bom começo pra que os nossos rebentos possam entender a Palavra de Deus e gostar dela.

domingo, 18 de setembro de 2016

Evangelho do 25º Domingo do Tempo Comum

Naquele tempo, Jesus dizia aos discípulos: “Um homem rico tinha um administrador que foi acusado de esbanjar os seus bens. Ele o chamou e lhe disse: ‘Que é isto que ouço a teu respeito? Presta contas da tua administração, pois já não podes mais administrar meus bens’. O administrador então começou a refletir: ‘O senhor vai me tirar a administração. Que vou fazer? Para cavar, não tenho forças; de mendigar, tenho vergonha. Ah! Já sei o que fazer para que alguém me receba em sua casa quando eu for afastado da administração’. Então ele chamou cada um dos que estavam devendo ao seu patrão. E perguntou ao primeiro: ‘Quanto deves ao meu patrão?’ Ele respondeu: ‘Cem barris de óleo!’ O administrador disse: ‘Pega a tua conta, senta-te, depressa, e escreve cinquenta!’. Depois ele perguntou a outro: ‘E tu, quanto deves?’ Ele respondeu: ‘Cem medidas de trigo’. O administrador disse: ‘Pega a tua conta e escreve oitenta’. E o senhor elogiou o administrador desonesto, porque ele agiu com esperteza. Com efeito, os filhos deste mundo são mais espertos em seus negócios do que os filhos da luz. E eu vos digo: usai o dinheiro injusto para fazer amigos, pois, quando acabar, eles vos receberão nas moradas eternas. Quem é fiel nas pequenas coisas também é fiel nas grandes, e quem é injusto nas pequenas também é injusto nas grandes. Por isso, se vós não sois fiéis no uso do dinheiro injusto, quem vos confiará o verdadeiro bem? E se não sois fiéis no que é dos outros, quem vos dará aquilo que é vosso? Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou odiará um e amará o outro, ou se apegará a um e desprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro”. Lc 16,1-13


Homilia

Às vezes, quando ouvimos essa Palavra de Deus, achamos que Ele tem um desprezo pelo dinheiro, que este é uma coisa amaldiçoada e diabólica. Porém, o dinheiro tem seu valor, sua utilidade e importância na nossa vida.

Somos nós quem temos de ter controle sobre o dinheiro e não ele sobre a nossa vida, porque, quando qualquer coisa controla a nossa vida, passamos a segui-la. Sabemos da dependência que temos do dinheiro para tudo o que vamos fazer, para comer, beber, vestir e cuidar dos nossos. Muitos podem pensar: “E a Igreja?”. Até a Igreja precisa de dinheiro para levantar o templo e para tantas outras necessidades. Nem preciso fazer uma colocação grande para falar de algo que faz parte do nosso cotidiano. No entanto, uma coisa é precisarmos do dinheiro, outra é nos escravizarmos por causa dele, porque Deus não quer ninguém escravo. Toda escravidão é opressão e toda opressão nos afasta de Deus.

Quando o Senhor está nos dizendo que não podemos servir a Deus e ao dinheiro, é porque quando nos tornamos escravos do dinheiro, ele nos rouba do Pai. Agora, quando colocamos a serviço da vida o dinheiro que temos, pouco ou muito, aí é outra realidade. Somos nós quem fazemos o bom uso do dinheiro que temos, aplicamos de forma correta. Não perdemos a paz, a tranquilidade e servimos a Deus com todo o nosso coração.

Jesus está, hoje, dando o exemplo do administrador desonesto. De forma nenhuma, Ele está exaltando a desonestidade, a astúcia do coração humano, mas está nos dizendo que aqueles que fazem as coisas do mundo, as fazem tão bem e com tanta astúcia, que conseguem bons resultados. Entretanto, nós, que nos consideramos bons e justos, honestos, que somos de Deus, da Igreja, somos tão devagar, sem iniciativa e não conseguimos produzir muitos frutos por causa disso. Por que será que as coisas do mundo se tornam tão mais atrativas? Porque eles colocam vida, alma e coração para fazer aquilo. E nós, muitas vezes, fazemos as coisas de Deus de qualquer jeito, de mau jeito e vemos no que dá.

Amados, para servir ao Senhor, maior riqueza e tesouro da nossa vida, tem de ser de coração; temos de ser inteiros, tem de fazer tudo de corpo, de alma e espírito, com aquilo que temos e somos. Temos de empreender o melhor das nossas energias, da nossa capacidade parar tirar das garras do mal aquele que foi roubado pelo maligno. Deus nos dá a graça para isso, basta que nos apliquemos bem para assim o fazer!