quarta-feira, 1 de julho de 2015

OVS: Diocese promove encontro de espiritualidade

Aconteceu no dia 28 de junho (solenidade de São Pedro e São Paulo), em Carpina-PE, no Centro Diocesano de Pastoral, o Encontro de Espiritualidade da O.V.S, com zeladores, sócios, benfeitores e amigos da Obra das Vocações Sacerdotais da Diocese de Nazaré


O Encontro teve a representação de 35 paróquias das 42 que compõem a Diocese, incluindo as áreas pastorais. O Encontro contou com a participação do Seminarista Alex representando o SAV. (Serviço de Animação Vocacional) da Diocese de Nazaré. O mesmo fez um breve relato do trabalho desenvolvido por esta equipe que tem como responsável Padre Eduardo Tenório. Na sua fala, Alex relatou que atualmente há 19 jovens fazendo os encontros vocacionais que acontecem a cada dois meses. Por fim, ele convidou aos jovens presentes a aderirem a esta causa e pediu a todos que incentivassem e acompanhassem os jovens nas paróquias, ajudando-os a seguirem o chamado de Deus ao sacerdócio. O Encontro contou também com a representação dos seminaristas do Propedêutico - Nossa Senhora de Lourdes, em Surubim, que tem como Reitor o Padre João Santana, bem como a representação dos seminaristas do Seminário Maior Nossa Senhora Rainha dos Apóstolos, em Olinda, que tem como Reitor o Padre Sergio Ramos. Os mesmos se apresentaram e agradeceram ao trabalho, zelo e orações dos Sócios, Zeladores, Benfeitores e Amigos da Obra das Vocações Sacerdotais. O Coordenador Diocesano, Sílvio, fez um chamado aos presentes para que aumente o número de Zeladores nas Paróquias, pois atualmente temos 975 Zeladores e um pouco mais de 23.000 sócios em toda Diocese. Ele Frisou que estes números ainda são insuficientes comparados às dificuldades enfrentadas pela Diocese para manter e formar novos sacerdotes, em vista de altos custos com faculdade, alimentação, formação, transportes e outros. Atualmente, temos no Seminário em Olinda, estudando Filosofia e Teologia na UNICAP (Universidade Católica de Pernambuco) 37 jovens. No Seminário Nossa Senhora de Lourdes, em Surubim, temos 12 jovens. Antes da celebração eucarística, foram entregues os Diplomas aos novos Zeladores(as). A celebração da Santa Missa foi presidida pelo Bispo Diocesano Dom Severino Batista e concelebrada pelo Padre Elias Roque, Assessor Eclesiástico da Obra das Vocações Sacerdotais.  O Bispo ressaltou a importância dos apóstolos Pedro e Paulo como pilares fundamentais para o cristianismo e para a Igreja, bem como a sucessão apostólica na pessoa do Papa Francisco. Ele, recém-chegado de sua viagem a Roma, citou o contato que teve com o Papa Francisco, que foi de muita alegria e entusiasmo. Por fim, conclamou aos presentes a amarem a pessoa de Jesus Cristo, vivo e presente na Eucaristia, bem como a virgem Maria, modelo de missionária e serva do Evangelho. Um exemplo que deve ser colocado em prática por cada um de nós que compomos a Obra das Vocações Sacerdotais e  assim,  vivermos uma Igreja em saída para anunciar a pessoa de Jesus Cristo a todos. Ainda agradeceu o trabalho de cada um para com a OVS, pois tudo só é possível porque temos vocês, citou o Bispo. O Padre Elias Roque, na sua fala, também conclamou aos presentes a aderirem cada vez mais a este chamado, de manter os seminários, não só pelo material, mas também e principalmente pelas orações. Agradeceu o empenho de todos para a realização deste evento, bem como a equipe diocesana, Sílvio e Carlos, as Coordenações Paróquias e todos os envolvidos.

segunda-feira, 29 de junho de 2015

São Pedro e São Paulo Apóstolos, principais líderes da Igreja Cristã

Hoje a Igreja do mundo inteiro celebra a santidade de vida de São Pedro e São Paulo apóstolos. Estes santos são considerados “os cabeças dos apóstolos” por terem sido os principais líderes da Igreja Cristã Primitiva, tanto por sua fé e pregação, como pelo ardor e zelo missionários.

Pedro, que tinha como primeiro nome Simão, era natural de Betsaida, irmão do Apóstolo André. Pescador, foi chamado pelo próprio Jesus e, deixando tudo, seguiu ao Mestre, estando presente nos momentos mais importantes da vida do Senhor, que lhe deu o nome de Pedro.

Em princípio, fraco na fé, chegou a negar Jesus durante o processo que culminaria em Sua morte por crucifixão. O próprio Senhor o confirmou na fé após Sua ressurreição (da qual o apóstolo foi testemunha), tornando-o intrépido pregador do Evangelho através da descida do Espírito Santo de Deus, no Dia de Pentecostes, o que o tornou líder da primeira comunidade. Pregou no Dia de Pentecostes e selou seu apostolado com o próprio sangue, pois foi martirizado em uma das perseguições aos cristãos, sendo crucificado de cabeça para baixo a seu próprio pedido, por não se julgar digno de morrer como seu Senhor, Jesus Cristo. Escreveu duas Epístolas e, provavelmente, foi a fonte de informações para que São Marcos escrevesse seu Evangelho.

Paulo, cujo nome antes da conversão era Saulo ou Saul, era natural de Tarso. Recebeu educação esmerada “aos pés de Gamaliel”, um dos grandes mestres da Lei na época. Tornou-se fariseu zeloso, a ponto de perseguir e aprisionar os cristãos, sendo responsável pela morte de muitos deles.

Converteu-se à fé cristã no caminho de Damasco, quando o próprio Senhor Ressuscitado lhe apareceu e o chamou para o apostolado. Recebeu o batismo do Espírito Santo e preparou-se para o ministério.

Tornou-se um grande missionário e doutrinador, fundando muitas comunidades. De perseguidor passou a perseguido, sofreu muito pela fé e foi coroado com o martírio, sofrendo morte por decapitação. Escreveu treze Epístolas e ficou conhecido como o “Apóstolo dos gentios”. São Pedro e São Paulo, rogai por nós!

Santo do Dia - Canção Nova / Pastoral da Comunicação da Paróquia de Sant'Ana - http://matrizdesantana.blogspot.com.br/

domingo, 28 de junho de 2015

Evangelho Dominical: Solenidade de São Pedro e São Paulo

Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos discípulos: “Quem é que as pessoas dizem ser o Filho do Homem?”. Eles responderam: “Alguns dizem que és João Batista; outros, Elias; outros ainda, Jeremias ou algum dos profetas”. “E vós”, retomou Jesus, “quem dizeis que eu sou?”. Simão Pedro respondeu: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”. Jesus então declarou: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi carne e sangue quem te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. Por isso, eu te digo: tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e as forças do Inferno não poderão vencê-la. Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”. Mt 16,13-19

Pela fé a Igreja é revestida da luz do ressuscitado

Junto com a festa de S. Pedro e S. Paulo, celebramos a festa do que a Igreja é: Corpo de Cristo, testemunha de Jesus Cristo (At 1,8), testemunha da vitória de Cristo sobre o mal e todas as manifestações e sobre a morte. Ao celebrarmos num mesmo dia a festa desses dois mártires, tão diferentes entre si, mas unidos pelo mesmo amor à pessoa de Jesus, amor que os levou a entregar a própria vida, celebramos também a diversidade da Igreja e o desafio de construir a comunhão eclesial. Um e outro puderam experimentar uma profunda e radical transformação em suas vidas. Pedro foi encontrado pelo Senhor, às margens do mar da Galileia, enquanto, com seu irmão André, lavavam as redes, depois de uma noite de pesca. A partir desse primeiro encontro, teve início um longo caminho de transformação radical da sua vida, que o levou a essa magnífica expressão de sua adesão radical a Jesus: “... Senhor, tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo” (Jo 21,17). Paulo, de perseguidor implacável da Igreja de Cristo, foi iluminado pelo Senhor no caminho de Damasco. Essa iluminação, num primeiro momento, o cegou para fazê-lo compreender que todo o passado dele sem Cristo era uma grande cegueira. A luz que surpreendeu Paulo o cegou para dar a ele uma nova luz, a luz do Cristo ressuscitado, a iluminação que é dada como fruto da fé no Senhor vencedor do mal e da morte. A fé da Igreja está apoiada na rocha da fé de Pedro e no testemunho daqueles que com Pedro foram testemunhas oculares de tudo o que Jesus fez e ensinou. Pela fé a Igreja é revestida da luz do Cristo ressuscitado e, pela graça do mesmo Cristo, é herdeira de sua vitória (cf. Ap 12,1-6). Deles e de todos os que viveram o tesouro da fé a ponto de darem suas vidas se pode dizer que nada foi capaz de separá-los do amor de Cristo (Rm 8,35-37). Por razões diferentes, a Igreja de todos os tempos sempre foi perseguida e ameaçada. Sempre tivemos mártires. O nosso tempo, nesse aspecto, não faz exceção. Por trás do discurso de tolerância religiosa se esconde uma verdadeira rejeição aos valores verdadeiramente cristãos. Que Deus nos dê a graça e a força do Ressuscitado para que, apoiados na fé dos Apóstolos, possamos, não obstante o mundo que nos cerca, dar o verdadeiro testemunho de Cristo. E que, não obstante os momentos difíceis, as ameaças e os perigos, a Igreja continue o seu caminho. Que Deus nos conceda a graça de uma confiança inabalável nele e a graça da lealdade e da fidelidade à Igreja, construída sobre a rocha da fé de Pedro.

Pe. Carlos Alberto Contieri - Paulinas / Pastoral da Comunicação da Paróquia de Sant'Ana - http://matrizdesantana.blogspot.com.br/