sexta-feira, 6 de março de 2015

Quaresma, tempo de jejum e mortificação

Na Quaresma, a Igreja oferece uma grande riqueza espiritual para se viver bem, oferecendo meios de conversão interior, vias de santidade, jejum, mortificação (voto, propósito, promessa) para que o homem viva a liberdade interior, o desapego aos bens terrenos, e principalmente, para que combata as paixões desordenadas. Mas vamos nos deter neste artigo, particularmente, no jejum e na mortificação.

A Igreja nos propõe o jejum principalmente como forma de sacrifício, mas também como uma maneira de nos educar a fim de percebermos que o que mais necessitamos é de Deus. Dessa forma, justificam-se as demais abstinências, elas têm a mesma função.

O jejum, assim como todas as penitências, é visto pela Igreja como uma forma de educação no sentido de se privar de algo e revertê-lo em serviços de amor, em práticas de caridade. O jejum é esta «metanóia», isto é, aquela transformação espiritual, que aproxima o homem de Deus. O jejum ocupa um lugar importante. O Antigo Testamento enumera-o [jejum] entre os fundamentos da espiritualidade de Israel. Essa prática implica uma atitude de fé, de humildade, de total dependência de Deus. Recorre-se ao jejum como preparação para o encontro com Deus, antes de se enfrentar uma missão difícil, assim como para se implorar o perdão duma culpa, para manifestar a dor causada por uma desgraça familiar ou nacional. Mas este, inseparável da oração e da justiça, visa, sobretudo, a conversão do coração.

Os Santos Padres o tiveram em grande consideração. Para eles, a prática do jejum facilita a abertura do homem a outro alimento: a Palavra de Deus (cf. Mt 4,4) e o cumprimento da vontade do Pai (cf. Jo 4,34); conexo intimamente com a oração, fortifica a virtude, suscita a misericórdia, implora o socorro divino, leva à conversão do coração – com esta dupla vertente: de imploração da graça do Altíssimo e de profunda conversão interior.

São Pedro Crisólogo afirma: “O jejum é paz do corpo, força dos espíritos e vigor das almas” e ainda: “O jejum é o leme da vida humana e governa todo o navio do nosso corpo”.

Mas não podemos jejuar porque todos o fazem. É preciso estar presente uma pergunta: Por que estou fazendo jejum? O que quero mudar? E o que preciso deixar Deus dominar, que não estou conseguindo? Pois, o jejum precisa transformar a vida, submeter o corpo à oração, combater a gula, que é causa de muitas paixões desordenadas e prazeres pecaminosos.

Hoje em dia quase ninguém quer mais jejuar, não queremos colocar o nosso corpo em oração. No entanto, se quisermos nos converter e vencer a satanás deveremos praticá-lo. Não nos esquecendo de que Jesus só venceu a tentação no deserto porque estava em jejum. Nossa vida vai mudar, nossa família também, se jejuarmos.

Outro ponto, que queremos compreender, é a questão das mortificações, vistas como um voto ou promessa a Deus, as quais temos o costume de fazer neste tempo forte de conversão. Mas antes queremos entender o que significa o voto ou promessa que fazemos na Quaresma, vamos entender aqui como mortificação. É a luta contra as más inclinações, a fim de submetê-las à vontade de Deus. A mortificação não é um fim, mas um meio para o homem viver uma vida superior e não desejar ou ficar apegado aos bens terrenos. São bens espirituais que alcançamos com as penitências. A união com Deus é o fim da mortificação.

Os sacrifícios podem ser escolhidos livremente, mas precisam ter uma função específica e serem baseados na pergunta: Por que estou deixando isso ou aquilo? Pois precisa haver um efeito de conversão, de mudança de vida, não é tirar algo por tirar ou porque os outros o fazem. De que adianta parar de tomar café durante 40 dias se nossas atitudes não mudarem? Se não houver uma transformação interior e um propósito de mudar algo de concreto.

As penitências ou mortificações precisam ser assumidas de acordo com o que queremos ou precisamos mudar. Será que não é melhor fazermos o propósito com o Senhor de mudança interior, como por exemplo, parar de murmurar, parar de xingar, de roubar, de fofocar? Esses exemplos podem ter efeitos mais profundos do que simplesmente parar com o chocolate, com o café, com o refrigerante. Contudo, cada um precisa fazê-las, de coração, não importa a mortificação, o que deve ocorrer são os efeitos em nossas vidas. Se nada muda há alguma coisa errada.

O caminho da perfeição passa pela cruz. Não existe santidade sem renúncia e sem combate espiritual. O progresso espiritual envolve ascese e mortificação, que levam gradualmente a viver na paz e na alegria das bem-aventuranças” (CIC 2015).

quarta-feira, 4 de março de 2015

Estão abertas as inscrições para o Casamento Comunitário

Estão abertas as inscrições para o Casamento Comunitário. Os interessados deverão procurar a Secretaria Paroquial, de terça a sexta-feira, no horário das 07h30 às 12h00, até o dia 15 de março de 2015.

Informações: (81) 3638-1274


Casamento Religioso com Efeito Civil
Documentos necessários:

- Xerox do RG e do CPF
- Xerox de um Comprovante de Residência
- Batistérios dos Noivos
- Certidão de Nascimento Original (para os que não são casados no Civil)
- Taxa do Cartório R$ 100,00 (para os que não são casados no Civil)

Casamento apenas no Religioso
Documentos necessários:

- Xerox do RG e do CPF
- Xerox de um Comprovante de Residência
- Batistérios dos Noivos
- Xerox Autenticada da Certidão de Casamento Civil

Secretaria Paroquial / Pastoral da Comunicação da Paróquia de Sant’Ana – http://matrizdesantana.blogspot.com.br/

segunda-feira, 2 de março de 2015

Efeitos espirituais do sacramento da confissão

O sacramento da confissão nos devolve a beleza da ressurreição

Uma vez absolvidos de nossos pecados e reconciliados com Deus, retomamos o nosso caminhar sob a plena graça do Senhor. O sacramento da confissão é a festa do perdão e da misericórdia. Confessados e perdoados nossos pecados, nossa alma é revestida de inúmeros efeitos espirituais, dentre os quais destacamos:


1. Reconciliação com Deus: O amor do Pai nunca nos abandona. Ele é sempre presente em nossa vida. No entanto, o pecado nos afasta do Senhor, embora Ele sempre permaneça conosco, mesmo que estejamos em situações graves de pecado. Deus não pode se afastar da obra do Seu amor. Mas nós, em meio ao pecado, vamos progressivamente nos afastando d’Ele e rompemos nossa aliança, embora Ele permaneça fiel. Uma vez perdoados, restabelecemos a nossa reconciliação com Deus e voltamos ao nosso primeiro amor, abrasados de paz para iniciarmos um novo tempo nos caminhos da vida. O Senhor nos espera de braços abertos, e nós, plenos da graça do perdão, corremos ao seu encontro. Voltamos à origem do nosso amor, mergulhamos na fonte da misericórdia pela qual fomos lavados das antigas culpas.

2. Reconciliação com a Igreja: Nosso pecado fere nossa relação com a Igreja. No pecado, deixamos de testemunhar o amor de Jesus pelos irmãos, ferimos o Corpo de Cristo e nos ferimos. Se um membro está doente, todos os demais também sofrem. Na dor que o pecado causa, todos sentem os efeitos colaterais da enfermidade, mas o perdão de Deus nos devolve ao seio da comunidade cristã. Lavados no misericordioso Sangue do Cordeiro, tivemos a nossa alma alvejada por Seu amor. Plenificados de Sua graça, somos agora uma célula curada pela ternura da misericórdia divina. O corpo místico de Cristo, antes ferido pelo pecado de nossas culpas, caminha agora com novo vigor. Restabelecemos a unidade antes quebrada e, juntos, continuemos a missão que nos foi confiada.

3. Reconciliação com nós mesmos: O pecado deixa marcas em nossa alma e abre feridas dolorosas. Caminhamos pela vida sem direção. As trevas ofuscam a beleza do alvorecer, mas o sacramento da confissão nos devolve a beleza da ressurreição. Nossos dias retomam a beleza das manhãs de paz e nossa alma glorifica o Senhor. Dentre as muitas marcas negativas do pecado em nossa vida, uma delas é a descaracterização de nossa imagem original. O pecado, enquanto não confessado, retira de nós as digitais do amor divino, por meio do qual fomos gerados. E uma vez distantes de nossa origem, perdemo-nos de nós mesmos, de Deus e da Igreja. Mas o sacramento da confissão vem em nosso socorro e nos devolve o direito de sermos restaurados à imagem e semelhança de nosso Deus. Reconciliados com nós mesmos, voltamos a sonhar os sonhos de Deus, comprometemo-nos com a missão da Igreja e cumprimos plenamente a nossa vocação de ser sal da terra e luz do mundo.

O sacramento da confissão restaura em cada fiel a vida antes furtada pelo pecado. Não é possível nos reconciliarmos com Deus, com a Igreja e com nós mesmos se antes não procurarmos do mais profundo de nosso coração o perdão de nossos pecados.

A Igreja nos oferece o remédio que devolve a saúde à nossa vida espiritual, e este remédio todos conhecemos: a confissão. Não tenhamos medo de viver na graça sob os efeitos espirituais de uma vida nova que em nós começa com o perdão, a misericórdia e a ternura de Deus.

Padre Flávio Sobreiro - Canção Nova / Pastoral da Comunicação da Paróquia de Sant'Ana - http://matrizdesantana.blogspot.com.br/

domingo, 1 de março de 2015

Evangelho Dominical: Transfiguração de Jesus

Seis dias depois, Jesus levou consigo Pedro, Tiago e João e os fez subir a um lugar retirado, no alto de uma montanha, a sós. Lá, ele foi transfigurado diante deles. Sua roupa ficou muito brilhante, tão branca como nenhuma lavadeira na terra conseguiria torná-la assim. Apareceram-lhes Elias e Moisés, conversando com Jesus. Pedro então tomou a palavra e disse a Jesus: “Rabi, é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. Na realidade, não sabia o que devia falar, pois eles estavam tomados de medo. Desceu, então, uma nuvem, cobrindo-os com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho amado. Escutai-o!”. E, de repente, olhando em volta, não viram mais ninguém: só Jesus estava com eles. Ao descerem da montanha, Jesus ordenou-lhes que não contassem a ninguém o que tinham visto, até que o Filho do Homem ressuscitasse dos mortos. Eles ficaram pensando nesta palavra e discutiam entre si o que significaria esse “ressuscitar dos mortos”. Mc 9, 2-10


O Pai age em Jesus, revelando a sua filiação divina

O livro do Gênesis é o livro das origens: da criação, do mal e da fé no Deus único e verdadeiro. Na primeira leitura, temos o relato do sacrifício de Abraão. Deus não pretende tirar a vida de Isaac, como se pode notar no próprio relato – filho que Abraão teve com Sara já na sua velhice –, mas testar e aprofundar a fé do Patriarca. Para o Antigo Testamento, o sacrifício não é algo negativo, mas positivo, porque une o homem a Deus. Pela sua confiança em Deus, Abraão estava disposto e preparou tudo para oferecer o seu filho. Seu sacrifício e sua fé constituíram-se numa fonte de bênçãos. A promessa de Deus de uma descendência numerosa para Abraão é consequência de sua obediência a Deus. Na leitura cristã do Antigo Testamento, o sacrifício de Isaac é figura do sacrifício de Jesus. O relato da transfiguração do Senhor é a sequência do primeiro anúncio da paixão, morte e ressurreição do Senhor (Mc 8,31-33) e da apresentação das exigências para seguir Jesus (Mc 8,34-38). Os discípulos, entre outros, têm dificuldade de aceitar a novidade do messianismo vivido por Jesus, um Messias que passa pelo sofrimento e pela morte. Desde então, a glória de Jesus está ligada à sua paixão e morte. O caminho do discípulo, no entanto, é o caminho do Mestre. A transfiguração é uma prolepse do mistério pascal de Jesus Cristo. O passivo divino “foi transfigurado” significa que o Pai é quem age em Jesus, revelando a sua filiação divina. A observação de que as vestes ficaram brancas como nenhuma lavadeira conseguiria fazê-lo é o modo bíblico de dizer que se trata de uma revelação de Deus. O desconcerto de Pedro diante do mistério deve ser vencido pela escuta do Filho bem amado de Deus. É preciso escutar Jesus, pois sua mensagem descortina o mistério de Deus; é preciso escutar o Senhor, pois só ele tem “palavras de vida eterna”. A transfiguração de Jesus nos ajuda a compreender que aquele que vai sofrer a paixão e ser glorificado é o Filho de Deus que se encarnou para a nossa salvação. O que sustenta nossa vocação cristã, o que sustenta nossa fé é a graça da ressurreição do Senhor. O sofrimento e a morte não são a última palavra. O Senhor, ressuscitado dos mortos, venceu o mal e a morte; glorioso, nos faz participantes de sua vitória. Este é o conteúdo da esperança cristã. É preciso manter os ouvidos abertos e o olhar fixo no Senhor, que passou pelo sofrimento e pela morte, e ressuscitou. A experiência dos efeitos de sua ressurreição conduz os discípulos, todos nós, a vivermos a adesão à pessoa de Jesus Cristo no cotidiano de nossa vida.

Pe. Carlos Alberto Contieri - Paulinas / Pastoral da Comunicação da Paróquia de Sant'Ana - http://matrizdesantana.blogspot.com.br/

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Grupo de Oração Línguas de Fogo promove Seminário de Vida no Espírito Santo

Grupo de Oração Línguas de Fogo (da Renovação Carismática Católica) propõe sete quintas-feiras de intenso reavivamento cristão e em seu primeiro encontro apresenta aos fiéis a grandeza do amor incondicional de Deus.

Com este seminário o grupo pretende proporcionar aos fiéis, uma renovação da fé e uma busca incansável pela conversão.


O evento tem como base proporcionar ao participante um encontro pessoal com Jesus, por meio da experiência denominada de "Batismo no Espírito Santo" (vale ressaltar que este batismo não se trata de um novo batismo sacramental, mas de uma renovação das promessas feita nele), que de acordo com os carismáticos seria um novo mergulho na graça de Deus e uma busca renovada da vivência da fé transmitida nos sacramentos da iniciação cristã. O Seminário apresenta uma temática para cada encontro (Amor de Deus, Pecado e Salvação, Senhorio de Jesus, Fé e Conversão, Cura Interior, Amor aos Irmãos e Perdão e Batismo no Espírito Santo). 

“Este seminário pretende nos conferir um maior entusiasmo na busca incansável de Deus, nos expondo ao seu olhar misericordioso e amoroso, além de nos ajudar a encontrar o maior tesouro que há dentro de nós, o amor, ou seja, Deus. Em nossa realidade, este seminário se dividirá em sete quintas-feiras no horário que é próprio dos encontros do Grupo de Oração. É um encontro aberto para todas as pastorais, movimentos, leigos, religiosos, comunidades e público em geral (batizados e não batizados; crentes e não crentes). Sendo o horário sempre às 19h00”, destacou Camila Brasiliano, coordenadora do grupo de oração; responsável pela realização do evento.


A abertura do Seminário de Vida no Espírito Santo, realizada na noite da última quinta-feira (26), ficou por conta da Coordenadora Diocesana da Renovação Carismática, Alcicleide Batista, onde ministrou uma abrangente palestra sobre o amor de Deus e sua plenitude.



A RCC se utiliza de eventos desta natureza como uma forma de Querigma, ou seja, lançar o primeiro anúncio da Boa Nova de Jesus, associado à urgência da conversão e salvação das almas por meio do testemunho de vida.


Grupo de Oração Línguas de Fogo / Pastoral da Comunicação da Paróquia de Sant’Ana – http://matrizdesantana.blogspot.com.br/

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Somos seduzidos por fraqueza ou escolhemos pecar?

Nossa consciência, lugar onde Deus habita, nos inquieta; ainda assim, muitas vezes, fazemos o mal. Isso é resultado de nossa fraqueza ou de nossa livre escolha?

Dizer ‘não’ ao pecado é uma luta presente na vida de todo cristão que leva a sério sua caminhada. É real perceber que sinais  antecedem o ato de pecar, pois somos acometidos pelos desejos e pelas paixões que não controlamos ou que escolhemos não controlar. Para que o ato seja pecaminoso precisa haver um processo consciente, uma decisão. Se não é consciente, ou seja, se a pessoa não tem a capacidade de escolher entre fazer ou não, isso não caracteriza pecado. Nesse contexto, existe uma realidade que permeia todas as situações de pecado: a concupiscência.


No Catecismo da Igreja Católica, lê-se que a concupiscência “desregra as faculdades morais do homem e, sem ser nenhuma falta em si mesmo, inclina o homem a cometer pecado” (CIC 2515). Ou seja, é um ato da razão que antecede o pecar, podemos dizer que é “planejar” o pecado.

No texto bíblico que meditamos, vemos que Caim se chateia com a preferência de Deus à oferta feita por seu irmão Abel. O Senhor, ao perceber isso, o questiona: ”Por que andas irritado e com o rosto abatido?” (Gn 4,6). Deus tem a intenção de mudar o coração de Caim, mas ele não se abre ao Senhor, esconde-se. Dentro dele, havia o desejo de matar seu irmão, e nem mesmo Deus o alertando sobre as consequências, o faz mudar de ideia.

Quantas vezes nos encontramos em situações diante das quais percebemos, claramente, que estamos a ponto de cometer um ato inconsequente que resultará em pecado? Um homem que se sente atraído por uma mulher casada, por exemplo, ao perceber que pode ser correspondido, insiste, mesmo sabendo que deve evitar, pois aquilo lhe agrada de alguma forma. Há dentro do ser humano esse alerta, mas, nós, muitas vezes, o ignoramos, passamos por cima dele, agimos e pecamos. Nossa consciência, lugar onde Deus habita, nos inquieta diante dessas circunstâncias, mas o homem não enxerga ou finge que não vê e prossegue com sua inclinação ao mal.

Basta olharmos para nosso último pecado e refletirmos um pouco. Vejamos o que foi gerado dentro de nós antes do pecado. Sabíamos que a situação nos levaria ao erro; mesmo assim, prosseguimos. Deixamo-nos seduzir por fraqueza ou, simplesmente, pecamos por livre escolha?

Caim convida seu irmão a ir ao campo – aqui vemos que ele pensou no que fazer, trata-se de um ato premeditado, o primeiro homicídio relatado pela Bíblia. Esse fato também quer nos ensinar que em nós há essa postura de planejar o pecado e enganar Deus; muitas vezes, enganamos a nós mesmos, numa atitude consciente e premeditada.

Nossa leitura termina com uma frase que cria em nós um impacto se pararmos e refletirmos sobre ela: “A ti vai seu desejo, mas tu deves dominá-lo” (Gn 4,7). Essa frase de Deus dirigida a Caim revela que o Senhor sabia da intenção do coração dele, tanto que, se lermos todo o versículo sete, onde Deus fala ao nosso personagem, veremos que Ele vê a sua aparência, sinal claro de que “o pecado o estava espreitando à porta” (cf. Gn 4,7). Sim, o ser humano dá sinais claros de que vai pecar; nesses sinais, temos a oportunidade de lutar contra o pecado, de firmar nosso coração em Deus e declarar: “PHN! Por hoje não, por hoje não vou pecar”. Esses sinais nos dão a chance de escolher entre bem e o mal.

Então, encontraremos uma chave na luta pela santidade, uma arma que o próprio Deus nos deu. Como vemos no Catecismo da Igreja Católica (CIC), a concupiscência não caracteriza o pecado em si mesmo, é o intervalo entre o estímulo que recebemos e a nossa reação. Assim, podemos dizer que, neste intervalo, podemos nos controlar e deter nossa reação. Portanto, é possível dominar o desejo, dominar a concupiscência!

Não fomos criados para ser escravizados por nossos desejos, e precisamos nos convencer de que sozinhos não os podemos dominar. Deus coloca pessoas ao nosso lado, coloca leituras, palestras e muito mais à nossa disposição para que cresçamos no autoconhecimento e também no dia a dia. Ele nos dá a possibilidade de escolher o que devemos fazer diante dos estímulos externos que recebemos. E uma capela, uma igreja, é o lugar ideal para derramarmos todas as nossas angústias, para estarmos diante de Jesus e pedir a Ele o socorro necessário, pois o Espírito vem em auxílio da nossa fraqueza (cf. Rom 8,26). Isso requer treino, isso requer esforço e luta! Deus nos abençoe nesta batalha pela santidade.

José Paulo Neves Pereira - Canção Nova Formação / Pastoral da Comunicação da Paróquia de Sant'Ana - http://matrizdesantana.blogspot.com.br/

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

"Eu vim para servir" na prática

A grande missão e o principal mandamento: amar e servir, servir e amar

Deus Pai enviou Seu Filho Unigênito para servir; e de maneira especial, nosso Senhor Jesus Cristo serviu o mundo com a Sua vida. Os ensinamentos de Cristo, Sua acolhida aos necessitados – doentes, pobres, mulheres, crianças e pecadores em geral – foi para servi-los.


Jesus Cristo veio a este mundo e não brincou de ser humano, Ele foi gente mesmo, assumiu a nossa carne (cf. Jo 1,14), teve fome, sede, andou muito a pé, de barco, obrigava-se a estar com o Pai em oração fazendo Suas vigílias, mostrou Sua indignação com as autoridades da época, chamando-as de “hipócritas”, “sepulcros caiados” e “víboras”. O Filho de Deus, também com os Seus discípulos, mostrou Sua indignação pelo fato de eles não entenderem os ensinamentos d’Ele, chamando-os de “homens de pouca fé” e “lentos para crer”. Pode-se constatar o quanto Ele foi gente, pois podemos olhar para nossa vida e verificar que enfrentamos diversas dificuldades não só por causa dos erros que um dia cometemos, mas por causa da nossa limitação humana.

Claro que nosso Senhor não só lamentou as dificuldades que tinha com os sábios e com Seu grupo de discípulos, mas também não parou nas limitações deles e das autoridades da lei. Ele foi adiante; mesmo correndo risco de morte, Jesus continuou a evangelizar. A Boa Nova precisava ser anunciada, o amor do Pai precisava ser transbordado. Mas quem era alvo desse amor? O homem. E assim Ele fez: nasceu, cresceu, aprendeu tantas coisas, até o ofício de Seu pai adotivo; viveu a missão que o Pai do céu Lhe confiou, a grande missão e o principal mandamento: amar e servir, servir e amar.

Neste ano, a Campanha da Fraternidade apresenta o lema “Eu vim para servir” (Mc 10,45). Quem veio para servir? Jesus. Ele veio para servir e não para ser servido, Sua vida mostrou isso.

Talvez, seja muito bonito falar e escrever que Jesus veio para servir, que Sua vida foi um serviço solidário e amoroso, mas o nosso olhar de louvor e gratidão para Jesus deve se traduzir também por meio de nossa vida. Devemos fazer ressoar o “servir” do Senhor.

De que maneira traduzo o “servir” do Senhor? Bom, vamos olhar para o meio em que estamos, em casa, no trabalho, nos estudos e nos relacionamentos, estes são os ambiente que nós somos chamados a servir.

Por fim, onde você estiver, viva o “servir” de Jesus, que significa dar a sua vida na realização do bem. Qual a sua vocação? Qual seu chamado? Já está definido? Ótimo! Não está? Que bom também! Descubra-o colocando-se a serviço. Mãos à obra!

É certo que somos chamados a viver. E se nosso Senhor, que teria muitos motivos para cruzar os braços e apenas pensar nas coisas acontecerem, não fez isso, quanto mais nós! Sabe por que Jesus não quis ter uma vida fácil? Porque quem tem vida fácil fica pelo caminho, não resiste, não dura. É preciso ter força, e esta só se adquire com exercício; não adianta tomar “anabolizante” para ser forte na realidade espiritual, não dá para “maquiar”, fingir ser forte. Viver esta vida, servir às pessoas significa ter paciência, tolerar, dar uma nova chance, significa também chamar à atenção aquele que está se corrompendo pelo mal; por fim, significa ser um outro Cristo que serviu por amor, que amou e por isso serviu.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

As portas do perdão estão sempre abertas

O Catecismo da Igreja diz algo muito importante: “Não há  pecado algum, por mais grave que seja, que a Santa Igreja não possa perdoar. “Não existe ninguém, por mau e culpado que seja, que não deva esperar, com segurança, o seu perdão, desde que seu arrependimento seja sincero.” Cristo, que morreu por todos os homens, quer que, em Sua Igreja, as portas do perdão estejam sempre abertas a todo aquele que recua do pecado” (§982).


Então, nenhum pecador pode se desesperar ou desanimar da salvação; seria falta de fé. Basta uma gota do preciosíssimo Sangue de Cristo para perdoar todos os nossos pecados. No entanto, Ele derramou todo o Seu Sangue por nós. Só não pode ser perdoado o pecador de que tiver o coração endurecido e não corresponder à graça de Deus, fechando-se para o arrependimento; é o pecado contra o Espírito Santo. Neste caso, a falta do perdão não acontece por falta de misericórdia divina, mas por ação do pecador que rejeita o perdão de Deus.

Na remissão dos pecados, os presbíteros e os sacramentos são instrumentos que nosso Senhor Jesus Cristo, único autor e dispensador de nossa salvação, faz uso para apagar nossas iniquidades e dar-nos a graça da justificação. Por isso, não podemos fugir deste sacramento como alguns o fazem; ao contrário, frequentemente temos de buscar nele o perdão de nossas faltas para ter a consciência em paz conosco e com Deus. A Igreja chama a penitência de “sacramento de cura”.

Santo Ambrósio (340-397), o grande doutor que batizou Santo Agostinho, disse que Jesus quis dar a Seus discípulos um poder imenso: que seus pobres servidores realizem em Seu nome tudo que havia feito quando estava na terra. É melhor confessar-se com um sacerdote, humano e também pecador, que entende a nossa fraqueza, do que se confessar com um anjo que nunca pecou. No sacramento da confissão há uma pedagogia divina que nos leva ao ministro sagrado para não só ser perdoado, mas também ser orientado para livrar-se do pecado, o pior de todos os males. (De Paenitentia 1,8,34)

Vemos, então, que os presbíteros receberam um poder que Deus não deu nem aos anjos nem aos arcanjos. O Senhor sanciona, lá no alto, tudo o que os sacerdotes fazem aqui embaixo, disse outro doutor da Igreja, São João Crisóstomo (349-407) (Sac. 3,5). Santo Agostinho disse que: “Se na Igreja não existisse a remissão dos pecados, não existiria nenhuma esperança, nenhuma perspectiva de uma vida e de uma libertação eternas. Demos graças a Deus, que deu à Igreja tal dom” (Salmo 88,2,5).

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Como a Igreja participa na sociedade

A Igreja tem um papel fundamental na sociedade

É tempo da Quaresma, quando os discípulos e discípulas de Jesus são chamados a escutar a Palavra de Deus com redobrada atenção amorosa para alcançar uma qualificação humana e espiritual. Esse percurso educativo é indispensável para a conquista de uma vida mais saudável, construída na justiça como projeto de paz. Trata-se de um aperfeiçoamento que ocorre na interioridade de cada pessoa. Promove a superação de desgastes, sofrimentos e disputas que abatem a condição humana. Perdida a unidade interior, inevitáveis são os comprometimentos na vida cidadã, no testemunho da fé e na conduta individual e comunitária. Crescem os desvarios que ocorrem na sociedade contemporânea, marcada pela iluminação instrumental da razão e pelas possibilidades dos grandes avanços tecnológicos.


De um lado, o espetacular das conquistas e da modernização. Do outro, o cenário injusto da miséria e exclusão de tantos pobres, a vergonha da corrupção, o horror da violência e a superficialidade que a sociedade do descartável alimenta nos corações. É preciso silenciar, escutar com maior acuidade, recuperar o sentido determinante do outro na própria vida, o lugar inigualável de Deus na existência de cada um e no coração da história. Fundamental também é a disposição para remodelar-se, não exteriormente, nas aparências, mas no fundo do coração. A interioridade é o núcleo central de comando ético e moral que sustenta condutas balizadas pela justiça, pelo amor e pela coragem da solidariedade.

Por isso mesmo, a Igreja celebra o tempo quaresmal convidando todas as pessoas a percorrerem esse caminho de quarenta dias para vivenciar, de modo adequado, a Páscoa de Jesus Cristo, o único projeto de verdadeiro resgate e salvação da humanidade. Um tempo para a checagem da qualidade humana e espiritual, na certeza de que é possível encontrar as indicações das mudanças necessárias, capazes de fazer da própria vida uma base fundamental que sustenta a construção de uma sociedade mais justa.

Como ocorre há mais de cinquenta anos, a Igreja no Brasil vivencia o tempo da Quaresma promovendo a Campanha da Fraternidade. O tema e o lema da Campanha em 2015 – “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e “Eu vim para servir” (cf. Mc 10,45) – constituem, neste ano, o horizonte inspirador e de confronto. A indicação da condição de servidor vem do próprio Jesus, o que Ele diz de si mesmo, na obediência amorosa a seu Pai. Trata-se, portanto, de característica inegociável e insubstituível de quem é discípulo de Cristo. Esse serviço é à vida, aos pobres, a cada pessoa, à cultura da paz. Busca a justiça e a superação das exclusões, que perpetuam a violência.

O despertar da consciência de estar a serviço, em nome do Mestre Jesus, em tudo o que se faz – no âmbito profissional, familiar, até naquele da vivência da fé e da disposição ao voluntariado para recuperar e promover a dignidade sagrada de toda pessoa – é o caminho revolucionário que a Igreja sabe que precisa trilhar. Nessa trajetória, a Igreja reconfigurará o seu verdadeiro rosto, superando suas incoerências, considerados os seus funcionamentos e a sua organização interna, particularmente a conduta de seus pastores, ministros e servidores. Essa é a coragem que a própria Igreja precisa revigorar, no mais íntimo de si, conforme indica o Papa Francisco ao dizer: “Prefiro uma Igreja acidentada, ferida e enlameada por ter saído pelas estradas, a uma Igreja enferma pelo fechamento e comodidade de se agarrar às próprias seguranças. Não quero uma Igreja preocupada com ser o centro, que acaba presa num emaranhado de obsessões e procedimentos”.

A Igreja Católica assume esse desafio em busca de conversão, de respostas novas e adequadas, de olhar para si no contexto da sociedade contemporânea para servir ainda mais, anunciando o Evangelho. Um compromisso com a vida de todos, sobretudo dos pobres e sofredores, que é iluminado pela convicção e pelo anúncio do Reino de Deus a caminho do qual estamos. Partilhamos a certeza de que há uma vida definitiva a desabrochar plenamente para além deste tempo, garantia incontestável da Páscoa do Senhor Jesus. Em espírito de escuta, de profunda humildade, a Igreja, congregação dos discípulos de Jesus, deixa-se interpelar pela indispensável revisão. Assim, busca avançar ainda mais na vivência e no testemunho da caridade, que transforma e efetiva a missão de servidora que tem a Igreja na sociedade.